Como a moeda chinesa afeta o Brasil

Que a China tem dominado a economia mundial, todos sabemos, mas e quanto a moeda chinesa? Qual a importância dela para a nossa economia? Em janeiro de 2013, o Yuan era a 13ª moeda mais utilizada no mundo, em dezembro de 2014 o RMB ‘renminbi’, que em mandarim significa “dinheiro do povo”, ultrapassou as moedas de outros países, como o Canadá e a Austrália, e se consolidou como a quinta moeda mais utilizada no planeta. Ainda atrás do dólar americano, do euro, da libra esterlina e também da moeda japonesa iene.

A meta da China é tornar o Yuan, a terceira moeda mais utilizada no mundo. E eles tem trabalhado com afinco para isso.

A volatilidade do Yuan

O Yuan tem uma volatilidade controlada, ele é “livre” dentro de certos padrões controlados pelo governo chinês, não é como o Real ou o dólar, por exemplo. Com a queda das importações chinesas, o governo decidiu desvalorizar o Yuan, com isso ela aumenta o poder de compra dos chineses, tratando assim de movimentar a economia. Vale lembrar que estamos falando de uma população de 1,36 bilhão de habitantes.

Também, os produtos chineses se tornam mais baratos, o que favorece as importações. A China é o maior parceiro comercial do Brasil, uma desvalorização da moeda chinesa afeta diretamente o Brasil e outros países exportadores de commodities. O Brasil teve uma redução de 8,45% na exportação de carne bovina em Novembro. Com o Yuan desvalorizado, os produtos brasileiros se tornam mais caros.

3-chinas-main-trading-partners

Fonte: http://static4.businessinsider.com/image/55ca179d2acae7c23f8bc954-783-537/china%20main%20trading%20partners.png

Yuan e Real

O Brasil com sua economia já fragilizada pelo próprio cenário interno, também é afetado pelo o que acontece com seus parceiros comerciais. Com uma moeda menos valorizada, os chineses, nossos maiores clientes, compram menos de outros países. Uma China enfraquecida não interessa a nenhum país do mundo e, neste momento, especialmente o Brasil.

“Na medida em que a economia perde capacidade de exportação, cresce a pressão para que o governo desvalorize a moeda. Se isso acontecer, as commodities vão tomar um forte golpe e aí podemos dizer que a crise brasileira nem começou. Essa seria a mãe de todas as crises”, alerta Ribeiro, da Gestora Post-Bric.

Por outro lado, Brasil e a China tem um projeto de adotar, Real e Yuan, em suas muitas parcerias comerciais.

Yuan e Dólar

Algumas empresas no mundo estão começando a aderir ao RMB como moeda de operação em negociações. Até bem pouco tempo atrás isso era uma exclusividade apenas do dólar. No Brasil, por exemplo, a filial da fabricante de aparelhos de ar-condicionado chinesa Gree, liquidou uma operação de importação de componentes chineses com RMB sem utilizar o dólar, moeda comumente tida como referência nesse tipo de transação.

O RMB poderia se tornar uma moeda de reserva no futuro superando o dólar? Se sim, qual o impacto isso teria na moeda americana? Se a China continuar com o crescimento econômico atual, ainda que também enfrente problemas e desaceleração, a realidade de uma moeda chinesa tão aceitável quanto o dólar é uma questão de anos.

A Shanghai-Hong Kong Stock Connect, que iniciou suas atividades em 2014, deu início a uma conexão cambial para a internacionalização do Yuan.

Recentemente, o Banco do Povo da China manifestou a intenção de cotar o yuan em uma diversidade de moedas, em vez de apenas utilizar o dólar para isso.

Poderemos atravessar uma guerra cambial até que cheguemos ao ponto de negociar o Yuan com a mesma naturalidade que estamos acostumados a fazer com outras moedas, mas é uma opção para traders e também para a economia de muitos países, incluindo a do Brasil, o grande parceiro da China.

0
Share

Leave a Reply