AutorAutor: Chris CammackPublicado: fevereiro 8, 2024
EditorEditor: Vanessa MarcosAtualizado: fevereiro 8, 2024

Atualizado em fevereiro 8, 2024

Chris Cammack

Golpes são uma parte desagradável, mas sempre presente na indústria Forex. Não importa onde ou quando, pode ter certeza de que alguém está tentando manipular os traders de Forex, tanto iniciantes quanto experientes, para entregar seu dinheiro para fins incertos.

Nós cobrimos exemplos de golpes Forex várias vezes ao longo dos anos. Mais recentemente, Alison e eu discutimos alguns dos casos mais alarmantes de fraude Forex em 2023 no podcast Let’s Talk Forex. Também fazemos o nosso melhor para ajudar os traders a aprender como identificar um golpe e o que fazer se acharem que foram vítimas de fraude.

Mas nunca é o suficiente. Sempre haverá traders que não prestam atenção aos sinais de aviso ou sucumbem à ganância ou à ingenuidade.

Nas últimas semanas, houve uma série de golpes nas notícias, todos em diferentes partes do mundo e todos bastante únicos. Pensei que seria interessante olhar para eles com um pouco mais de detalhe e entender como esses golpes funcionam e o que nós, como traders, podemos fazer para evitá-los.

True Forex Funds: Um problema maior para o trading proprietário?

Este ponto é interessante e provavelmente não se trata de uma fraude, mas talvez o começo de algo maior. As firmas de trading proprietário são empresas que fornecem capital para traders de Forex negociarem em nome das empresas. Geralmente, os traders precisam passar por um teste de proficiência primeiro; quando a empresa considera um trader adequado, ele recebe capital para negociar e quaisquer lucros obtidos são divididos entre o trader e a firma de trading proprietário.

No episódio do Let’s Talk Forex mencionado acima, Alison e eu cobrimos a queda da My Forex Funds, uma firma de trading proprietário americana/canadense que foi fechada pelos reguladores dos EUA e Canadá. Nesse caso, a My Forex Funds permitiu que os traders pulassem o teste de proficiência mediante uma taxa e é acusada de manipular esses traders pagantes de taxa para prejuízos. Sem o conhecimento dos traders, a My Forex Funds também era dona da market maker que fornecia liquidez para o empreendimento, então todos os prejuízos eram lucros para a empresa.

Mas o caso da True Forex Funds é mais estranho. True Forex Funds é uma firma de trading proprietário húngara que está na “lista vermelha” da CFTC desde junho (por solicitar/aceitar fundos de cidadãos americanos sem uma licença da CFTC). Alguns dias atrás, a MetaQuotes, empresa por trás das populares plataformas de trading MT4 e MT5, encerrou a licença de software da True Forex Funds sem aviso prévio.

Em uma declaração, Richard Nagy, CEO da True Forex Funds, disse:

A razão incompreensível para o término é o uso de um provedor terceirizado para fins de sincronização de capital que supostamente não se conectou ao terminal do cliente MetaTrader de uma maneira totalmente aceitável pela MetaQuotes. A True Forex Funds usou o serviço terceirizado mencionado desde 2021 sem qualquer queixa da MetaQuotes. A MetaQuotes não deu nenhum aviso prévio, nem ofereceu qualquer chance de substituir o provedor indesejado, apesar de ser evidente que em nenhuma indústria é possível investigar o código-fonte do seu parceiro, provedor ou de qualquer fornecedor para provar sua legitimidade.

Se essa declaração for verdadeira, estabelece um precedente muito interessante no qual a MetaQuotes está usando sua supremacia de participação de mercado para agir como um regulador corporativo – não diferente do Google ou Apple no espaço de aplicativos móveis. Não há evidências de que a True Forex Funds estivesse operando como uma fraude, e o único “crime” que parecem ter cometido é entrar para a lista de transgressores da CFTC – uma dúbia honra compartilhada por muitas empresas e corretoras legítimas.

Alguns analistas associaram o término da licença ao fato de os aplicativos MT4 e MT5 terem sido retirados da App Store da Apple em 2022 – antes de serem restabelecidos em março de 2023. Naquele caso, a Apple estava insatisfeita que a MetaQuotes estava fornecendo licenças para partes criminosas que então usavam a infraestrutura do MT4 e MT5 para defraudar usuários da Apple através dos aplicativos MT4 e MT5.

Com isso em mente, não é surpreendente que a MetaQuotes esteja muito preocupada com, para citar o CEO da True Forex Funds: “um provedor terceirizado para fins de sincronização de capital que supostamente não se conectou ao terminal do cliente MetaTrader de uma maneira totalmente aceitável…”

Além disso, o caso em curso da My Forex Funds colocou o trading proprietário firmemente na mira da CFTC. Isso é apenas especulação, mas suspeito que a MetaQuotes agiu como fez diante das preocupações gêmeas da atenção da CFTC e de seu lugar na loja de aplicativos da Apple.

Este não é o único drama recente no mundo do trading proprietário. No dia 7 de fevereiro de 2024, a FPFX Technologies – uma provedora da Flórida de tecnologia de trading proprietário – de repente retirou a licença de uma firma de trading proprietário de Dubai, Funded Engineer. A Funded Engineer é acusada de uma fraude massiva, totalizando cerca de $2 milhões, por usar contas falsas para aumentar artificialmente seus pagamentos.

Então, entre a repressão regulatória e a súbita angústia entre os provedores de tecnologia, o trading proprietário está condenado? Provavelmente não, mas este tipo de trading tem tido uma má reputação há anos e não vejo nenhum dano na indústria e seus reguladores se livrarem das maçãs podres.

Self-Managed Super Funds: ASIC intensifica repressão

Enquanto isso, na Austrália, a ASIC intensificou a repressão a dois golpes que se denominam Self-Managed Super Funds (SMSF). O primeiro caso foi um exemplo relativamente comum de fraude de investimento/negociação. Os réus, Joseph Cullia e Zoran Markovic, são acusados de roubar e usar indevidamente as licenças de duas empresas regulamentadas pela ASIC e usá-las para criar sites falsos. Esses sites usavam a promessa de altos retornos para atrair “investidores” imprudentes a entregar os seus fundos. Ambos estão enfrentando uma série de acusações incluindo lavagem de dinheiro, posse de documentos falsos e roubo de identificação.

No outro caso de SMSF, o réu, Aryn Hala, é acusado de usar uma empresa de serviços financeiros sem licença para oferecer aos “investidores” retornos de 20% em investimentos em ativos cripto. Ele supostamente incentivou aposentados a transferirem as suas poupanças para SMSFs sob seu controle. Os receptores nomeados pelo tribunal não conseguiram recuperar a maioria dos ativos dos investidores.

O primeiro caso é particularmente grave, pois os réus usaram licenças legítimas para parecerem confiáveis. Mas a principal lição de ambos os casos é que quando uma empresa ou pessoa promete altos retornos sobre o seu “investimento”, isso é um claro sinal de alerta. Nunca há retornos garantidos em negociação ou investimento. Seja um retorno de 100% ou de 20%, essa garantia mostra que provavelmente está a lidar com um golpe.

Se você não tem certeza sobre a legitimidade de uma licença, verifique com o seu regulador local. A maioria dos reguladores manterá uma lista atualizada de empresas fraudulentas – chamadas de “firmas clone” – que roubam as licenças de empresas legítimas para fazer seus serviços parecerem legais.Bottom of Form

Uma união feita no Inferno: Firmas clone e redes sociais

Por fim, hoje, eu queria olhar para uma história da África do Sul, onde a FSCA emitiu um aviso sobre uma empresa clone que recorreu às redes sociais numa tentativa de defraudar consumidores. Neste caso, o golpista afirmou ser da IC Markets, uma corretora australiana bem regulamentada e altamente avaliada, e abordou sua vítima no TikTok. O golpista prometeu investir seu dinheiro em troca de um retorno maior e, posteriormente, solicitou que ela depositasse mais dinheiro para liberar o retorno do investimento.

Quando a vítima percebeu que tinha sido enganada, ela recorreu ao Facebook, onde outra pessoa se ofereceu para ajudá-la a recuperar os fundos. Como era de se esperar, isso também se revelou um golpe e o golpista do Facebook também exigiu mais fundos.

Este é um caso particularmente cruel, mas a principal lição aqui, e algo que estamos falando há anos, é que você nunca (jamais) deve confiar em alguém em redes sociais que ofereça para negociar ou investir dinheiro em seu nome. Em um estudo que conduzimos alguns anos atrás, descobrimos que mais de 50% dos golpes de Forex começaram em redes sociais. Infelizmente, essa estatística permaneceu relativamente inalterada ao longo dos anos e as empresas de redes sociais deveriam ser responsabilizadas por eliminar esse tipo de atividade. Mas é muito improvável que elas se responsabilizem, então, por enquanto, mantenha seu trading de Forex e as redes sociais separados.

Mantenha-se atualizado

Este formulário tem a dupla confirmação ativada. Você precisará confirmar seu endereço de e-mail antes de ser adicionado à lista.

Fechar
>